GaleriasNotícias

Tema: “Aracoara e os povos Indígenas: a história de Araraquara não começa com Pedro José Neto”

Período de Inscrição: maio a agosto de 2014

Data da Premiação: 10/10/2014

 

Resumo:

A ideia do concurso surgiu da necessidade de se trabalhar a história dos povos indígenas na região, a partir das discussões do GEERERI em relação ao processo de implantação da Lei 11.645/08.

Assim, e aproveitando a data de fundação do município de Araraquara (22 de Agosto), onde as escolas de educação básica se mobilizam para construir projetos e/ou atividades que tem como foco o aniversário da cidade, o concurso de redação constituiu-se como uma possibilidade de olhar a história na perspectiva daqueles que sempre foram excluídos, marginalizados, silenciados ou secundarizados na historiografia tradicional, assim como nos livros didáticos.

Muito embora as novas diretrizes educacionais já tenham assumido a visão da História Nova, da importância dos temas relacionados à diversidade cultural e da ética na formação dos/as educandos/as, ainda enfrentamos muitas barreiras no campo da sua efetividade. No caso específico do ensino da História do Brasil, ainda  prevalece uma visão superficial e generalizante sobre os povos indígenas.

A Lei 11.645/08 é fruto desse contexto de superação dos referidos obstáculos, e exige da escola e dos/as educadores/as uma mudança estrutural na construção de uma educação que respeita a diversidade cultural e étnicorracial e promova o diálogo intercultural. Trata-se, portanto, da necessidade de se realizar uma mudança cultural e política no currículo e nos fundamentos epistemológicos da produção de conhecimentos.

Nessa perspectiva, o concurso buscou incentivar o/à aluno/a a elaborar um texto dissertativo com o tema “Aracorara e os Povos Indígenas: A História de Araraquara não começa com Pedro José Neto”, realizando uma reflexão sobre os primeiros habitantes da região de Araraquara, quem eram, como viviam, o que aconteceu depois da chegada dos chamados “pioneiros” à região e onde vivem nos dias atuais, a partir de relatos, estudos e pesquisas de memorialistas, historiadores e outros cientistas sociais.

Veja a galeria:

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário